08 abril 2009

O braço de ferro Médicos-Farmácias

O braço de ferro entre a corporação dos médicos e a associação nacional de farmácias consubstancia duas realidades que deveriam envergonhar ambas as classes : os senhores doutores querem ter a única palavra na escolha da marca do medicamento que prescrevem mesmo que saibam que genéricos absolutamente equivalentes podem custar menos de metade. Porquê ? Não é difícil adivinhar que mantendo esse poder, continuarão a ser a menina dos olhos dos Laboratórios Farmacêuticos que tantos milhões gastam em acções de marketing...
A Associação Nacional de Farmácias quer que os farmacêuticos possam passar a vender genéricos sempre que achem bem, independentemente da vontade do médico. Porquê ? Talvez para vender os produtos da empresa de genéricos de que é sócia...
Para resolver isto, e contra a minha formação libertária, eu talvez propusesse que :
1 - Aos Laboratórios fosse vedado qualquer tipo de "simpatia disfarçada" para com a classe médica.
2 - À ANF fosse vedada a possibilidade de estar no capital social de qualquer Laboratório (de genéricos ou não-genéricos) por haver possibilidade de distorção grave do mercado e da livre concorrência.
Mas isto sou eu que não sou médico nem farmacêutico e estou sempre a ver mal em tudo...

5 comentários:

calamity disse...

«Semos» dois.

Abraham disse...

Olhe que essa dos genericos serem iguais aos de marca não é bem assim... por alguma razão são mais baratos. O principio activo é o mesmo mas o excipientes e a manipulação podem fazer a diferença. É assim como a mnha avó e eu a fazer os biscoitos de azeite... a receita é a mesma, os ingredientes quase iguais a mão toda a diferença. Sempre me meteu confusão ser uma questão de dinheiro quem tem compra de marca os outros os genericos!!!????

Al Kantara disse...

Caro Abraham, não me parece que fábricas de medicamentos licenciadas possam ser comparadas à avó a fazer biscoitos de azeite. A não ser que alguém não esteja a fazer o seu trabalho...

Abraham disse...

Al Kantara, o que eu digo é que a mesma receita com a mesma materia prima pode ter resultados diferentes: os bolos da minha avó ficam divinais os meus intragáveis. (mau exemplo? Talvez)
Se são iguaizinhos porque existem das duas formas? Porquê para os pobres se o corpo dos pobres e dos não pobres é igual? Alguém vai comprar o produto mais caro quando existe mais barato mesmo não sendo pobre?

Dulcineia (Lília) disse...

Olha, nem sabia ser permitido à ANF participar no capital social dos laboratórios! ando a dormir na forma, rs

Já tenho ouvido que, alguns genéricos (embora o princípio seja o mesmo) não têm tanta qualidade (talvez o processo de elaboraçao) como os NG. Tenho ouvido, sem se conhecerem, a mesma opinião sobre alguns, repito, alguns genéricos.

Mas, vai ser um braço de ferro, vai...
O melhor mesmo é sermos responsáveis pela saúde: higiene mental e alimentar, caminhar, etc., que nem sempre controlamos.
Abraço