28 setembro 2008

Afinal, a crise é psicológica...

O preclaro presidente da Associação Comercial de Lisboa, Bruno Bobone, deu uma entrevista genial em que afirma que « em geral, a população vive uma pré-crise, mas de facto no bolso não se sentiu. É uma crise psicológica». Portanto, os 150 euros a mais na renda de casa, os 100 euros a mais em combustíveis, os 25% a mais em IMI e as demais despesas, dívidas e impostos que afogam a população em geral não passam de um problema psicológico.
Lembro-me de uma história que não resisto a contar e que, por ser absolutamente escabrosa, solicito aos menores e demais pessoas sensíveis o favor de não lerem:
Um saudoso amigo meu (do mais amoral, cínico e libertino que conheci...) gabarolava-se junto dos amigos que quando sodomizava alguma incauta namorada sem prévio aviso e a sentia a espernear e a queixar-se com o clássico "ai,ai,ai,'tás'm'aleijar" lhe segredava, tranquilizador : "Descontrai, filhinha, qu'isso é psicológico". Parece que resultava. Pelo menos, ele também andava sempre com um ar próspero e satisfeito. Só não dava entrevistas à comunicação social...
PS - A fotografia foi roubada ao Expresso. Ao Dr. Balsemão, a minha mensagem solidária: deixe lá. Isso também é mais psicológico que outra coisa...

3 comentários:

expressodalinha disse...

Será que o teu amigo podia fazer o mesmo a este senhor? O pior é se ele gosta!

Anónimo disse...

Você tem com cada amigo, no fundo, são uns maricas recalcados do pior, vivem insatisfeitos e provocam insatisfação, por não saberem o que fazer com as mulheres. Não suporto gabarolas, irritam-me.


Tânia

Al Kantara disse...

Cara Tânia, eu também não gosto muito de gabarolice mas a verdade é que as namoradas não largavam o rapaz. Vai-se a ver, se calhar, era mesmo psicológico...