08 abril 2008

Ai levas com um processo, levas...

José Eduardo Agualusa é escritor, angolano, e teve o azar de, recentemente, considerar Agostinho Neto um "poeta medíocre" . Esta crítica suscitou um tal burburinho que logo se levantaram ofendidas vozes em defesa da honra literária de Neto. Um tal João Pinto (não o futebolista, presumo), professor na Universidade Agostinho Neto, escreveu um artigo, sob o título "Literatura e Identidade e Política", em que proclamava a necessidade de responsabilizar criminalmente "por estarem reunidos todos os requisitos do ultraje à moral pública, previsto e punido no artigo 420º do Código Penal".
Pronto, eu sei que isto não tem muita graça, mas eu quis pôr aqui no blog que é só p'ra gente se rir um bocadinho...

10 comentários:

António P. disse...

Todavia a Terra continua a girara à volta do Sol.
Um abraço

Al Kantara disse...

Nunca se sabe. Aguardemos pelas decisões das autoridades, ao abrigo do artigo blá,blá,blá.....

Estabilizador e Nobreak disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Plotter disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Candimba disse...

Que raio ... Devem ser irmãos! Gostam do blog e não falam Português. mas ao menos são calorosos mandaram te um abraço e tudo!

Al Kantara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
expressodalinha disse...

Vá lá que os gajos do Tibete são pacifistas! Safa!!!

o castendo disse...

Outro post sobre o mesmo tema: http://cravodeabril.blogspot.com/2008/04/democracia-de-agualusa.html

Al Kantara disse...

Caro Castendo, li o post. Sobre ele devo dizer que qualquer discussão mais ou menos acesa sobre a qualidade da poesia de Neto é bem vinda e desejável. Que Agualusa diga que quem tem opinião literária contrária à sua é ignorante e que lhe respondam que o ignorante é ele, por mim, é para o lado que durmo mais descansado. Agora quando se acha que há motivo para processos criminais por ofensas à moral pública por uma opinião literária, aí já não consigo dormir com o ruído das gargalhadas que não controlo. Já agora, deixe-me dizer-lhe que não me sinto habilitado a classificar a poesia de quem quer que seja, tendo apenas como bitola o gosto pessoal, o que reconheço ser pouco para crítico. Dito isto, não me façam exames literários em tribunal, está bem ?

o castendo disse...

Já somos dois: «não me sinto habilitado a classificar a poesia de quem quer que seja, tendo apenas como bitola o gosto pessoal, o que reconheço ser pouco para crítico. Dito isto, não me façam exames literários em tribunal, está bem?»