11 junho 2010

O senhor doutor está sem criada há uma porrada de tempo...

Vem hoje no “Sol” um longo artigo de José António Saraiva que desenvolve uma pitoresca tese socio-económica : num país em que não se consegue contratar uma “empregada doméstica interna”, as políticas de apoio social devem ser “repensadas”pois provavelmente os subsídios estarão a fomentar a “preguiça”.

Não posso deixar de classificar esta teoria macro-económica como socialmente asquerosa pelas razões que passo a enunciar :

1 – As criadas (é assim que se diz na minha terra, senhor doutor...) trabalham 16 horas por dia durante 6 dias por semana e recebem (quando recebem...) 400 euros no fim do mês, o que dá uma média horária de 96 cêntimos de retribuição.

2 – As criadas dormem geralmente em quartos interiores exíguos e sem janela e devem ser obedientes e atentas aos desejos dos seus amos – o senhor doutor, a esposa do senhor doutor e os filhos do senhor doutor que, no melhor dos casos, as tratam por tu e, no pior, as desrespeitam numa base regular.

3 – As criadas são, assim, uma “profissão” que tende a não ter um grande número de candidatas no Portugal do século XXI por o seu exercício se assemelhar bastante ao da escravatura doméstica, dependendo da bondade dos seus amos o grau da sua infelicidade pessoal.

Assim, aos senhores doutores que se queixam amargamente por não conseguirem contratar uma Maria corada que lhes limpe a casa, cozinhe as refeições, passe a roupa a ferro e leve os meninos ao colégio, eu recomendaria que comecem por dobrar as suas próprias meias porque a vida está mesmo pela hora da morte e, de facto, ainda não atingimos o grau de pobreza miserável generalizada dos anos 40 que garantia o fornecimento de carradas de "empregadas domésticas internas"...

PS - Este "problema" de escassez de criadas já é antigo. Tanto que é conhecida a história do banqueiro que as ia buscar aos pares às Filipinas nos anos 80 e lhes pagava um magro salário que era "guardado" pela esposa num acesso de caridade cristã, não fossem as raparigas gastá-lo mal gasto em iniquidades...

7 comentários:

Maldonado disse...

Chega-lhes! :)
Concordo plenamente.
Há gente que ainda pensa como o Tony de Santa Comba Dão e não compreende que o país mudou muito depois do 25ABR74.

samatra disse...

mais grave: não quer entender/ver que o Mundo está a mudar e o seu mundo acabou...Embora às vezes pareça que não.

António P. disse...

ainda lês o Sol, Al Kantara ?
Um abraço

astracan disse...

O Al Kantara lê TUDO, vê TUDO, ouve TUDO. Só que, contrariamente ao big-brother, não é para dar suporte ao sistema, é para o denunciar.

Estes senhores doutores também me dão a volta ao estômago. Os tais que "tratam muito bem" as suas criadas. Tudo isto cheira a mofo.

Olaré disse...

Vê-se mesmo que nunca tentaste contratar uma "técnica de higiene caseira", porque senão sabias que as mesmas recebem à volta de € 1200limpos ( a segurança social a cargo da patroa, pois então) com direito a alimentação à borla e folgas aos fins de semana! Há vidas piores...e são a recibos verdes!

Al Kantara disse...

Vê-se mesmo que 'tás farto de contratar criadas a 1200 euros limpos mais alimentação e folgas aos fins-de-semana, oh olaré. Isto depois de se saber que a rainha de Inglaterra quer contratar uma por 1400 euros brutos. Deves viver no país das maravilhas, pelo que te sugiro que mudes o nome para Alice...

Al Kantara disse...

Vê-se mesmo que 'tás farto de contratar criadas a 1200 euros limpos mais alimentação e folgas aos fins-de-semana, oh olaré. Isto depois de se saber que a rainha de Inglaterra quer contratar uma por 1400 euros brutos. Deves viver no país das maravilhas, pelo que te sugiro que mudes o nome para Alice...