16 junho 2010

Uma história, dois destinos...


A British Petroleum é responsável pelo maior derrame de petróleo da História nas costas americanas. Assim, o presidente Obama fez uns telefonemas e já teve ocasião de dizer ao presidente da companhia que vai ter de criar um fundo de 20 mil milhões para cobrir prejuízos e vai ter de pagar até ao último dólar aquilo que se está a passar nos Estados Unidos, o que poderá conduzir a empresa britânica ao colapso financeiro.

Aprecio o rigor e a frontalidade com que os americanos exigem compensações quando são prejudicados.

É pena que esse mesmo rigor não seja aplicado no caso da Union Carbide que em 1984 foi responsável por uma fuga de gases tóxicos que provocou dez mil mortos imediatos e mais quinze mil ao longo de 20 anos em Bhopal na Índia. Esta tragédia foi resolvida com 470 milhões de dólares pagos às autoridades indianas ('tá-se mesmo a ver, não é ?...) Aliás, nunca a empresa se sentou no bancos dos réus na Índia, com as autoridades a deixarem protelar os assuntos para além do que é admissível. Para cúmulo do ridículo, foram recentemente condenados oito funcionários indianos por negligência mais de 25 anos após os acontecimentos.
Por isso a BP arrisca-se (e bem...) a falir porque foi negligente e está a prejudicar americanos e a Union Carbide está de boa saúde porque, obviamente, 25.000 indianos mortos não valem uma multinacional americana...
PS - Se fosse no século XIX, os indianos ainda tinham de indemnizar os americanos pela fuga de gaz e consequentes perdas associadas...

6 comentários:

expressodalinha disse...

E a falência da BP vai dar imensos prejuízos aos share holders e agravar a crise com mais desemprego...

Al Kantara disse...

E, por outro lado, vai fazer com que os executivos das indústrias potencialmente poluidoras passem a pensar duas vezes quando se trate em poupar em matéria de segurança...

astracan disse...

porra! a maré negra engoliu a ponta em mola?

joshua disse...

É a vida!

PALAVROSSAVRVS REX

astracan disse...

Para além de ter muita pena que este blog encalhásse aqui, acho que o símbolo em que ficou e "encravado"(bp) não tem rigorosamente nada a ver com o autor.
Abraços

José Freitas disse...

Vivemos num mundo dominado pelos grandes capitalistas, que fazem as suas patifarias, mas morrem um dia, como os outros.
Tivemos o azar de não jogar nada até sofrermos o golo.
Na primeira parte estivemos a ver os alemães a jogar, que até jogaram bastante mal, passes errados para a área de Portugal, péssima finalização, caso contrário tínhamos sido goleados. Pepe rematou quase bem e Suíça 5 – Alemanha 3.
Só começamos a jogar quando sofremos o golo, mas já não havia tempo. A pergunta que se coloca é esta. Por quais razões não começamos a jogar logo no início do jogo, como a Suíça, que lhes ganhou por 5-3?
Amanhã temos a Dinamarca.
É interessante o blog.
O excelentíssimo António Borges quer que os salários de fome passem a ser salários de muita fome. Mas ele ganha um salário muito interessante e é mais um «moralista», ontem fartou-se de pregar a sua moral para os outros, mas que não usa para si próprio, na RTP1, depois da 22.30.
O LAZER É ÓPTIMO, O PIOR É QUANDO FALTA O SUBSÍDIO DE FÉRIAS.
Um programa recente da SIC Notícias disse mentiras sobre o caso «Equador», que tem frases inteiras copiadas de «Cette nuit la liberté».
MST é um «moralista» anti-Esquerda.
É sempre bom conhecer melhor um «moralista».
A Censura anda muito activa nos comentários dos blogs. Espero que deixe passar este comentário.
Em www.anticolonial21.blogspot.com está a verdade inconveniente sobre a cópia de partes de «Cette nuit la liberté» por Miguel Sousa Tavares para o livro «Equador».